| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Matéria Prima
Desde: 06/02/2003      Publicadas: 1989      Atualização: 25/08/2008

Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP


 Artigos & cia

  30/06/2006
  0 comentário(s)


A Copa do Mundo é delas, das mulheres

No futebol, o público feminino também está batendo um bolão, e não é dentro do gramado, mas em frente à televisão

Michelly Vaz
De quatro em quatro anos a história se repete. Mais uma Copa do Mundo. Para nós, seres másculos e inteligentes, é época de renovação e aprofundamento de votos que fazemos na infância, o eterno amor pela arte do futebol. Mas há, como tudo na vida, algumas curiosidades pitorescas que circundam essa magia: as mulheres. Sim, as donas da casa e da família e do trabalho e, sobretudo, de nossas vidas. Que, diga-se, nos envolvem em suas teias desde a mais tenra idade. Pois é, companheiro, elas também querem dominar o futebol. Não os domingueiros joguinhos de várzea, mas o almejada Copa do Mundo.

Vejamos do princípio. Quantas vezes sua amada companheira sentou-se ao seu lado, em pleno sábado às 21h45, para contemplar a quinta rodada do Brasileirão série C, e discutiu com veemência lances e faltas que o "excelentíssimo" não havia marcado. Pois bem, se você, como eu, acha uma completa injustiça essas mesmas " que brigam, difamam e perjuram o nosso honrado passatempo " se sentirem no direito de assistir aos melhores jogos dos próximos quatro anos, junte-se a mim na campanha Faça com ela na Copa o que ela faz contigo o ano inteiro.

Provoque-a, isso mesmo. Convide-a para um jantar romântico, regado a vinho e prato predileto, ou até mesmo aquele disputadíssimo espetáculo de balé, que há anos ela quer assistir. Ah, outra boa abordagem é a famosa viagem para a paradisíaca ilha da Polinésia Francesa, em algum ponto em que não exista nada, muito menos eletricidade, para os pombinhos reviverem a nostálgica lua-de-mel.

Desista, nenhuma dessas alternativas as farão mudar de idéia e abandonar as tardes de futebol, afinal, é Copa e infelizmente (ou felizmente, ainda não consegui decidir), isso para elas é sagrado.

Munidas de suas inseparáveis tabelas, anotando os resultados dos jogos como quem anota a lista de compras do supermercado " ou as dez maneiras de entrar com pé direito em 2006, que constam em dez de cada dez revistas femininas ", chegam apoderando-se do melhor lugar da sala, discutindo e algumas vezes cantarolando o hino dos outros países, para que de forma discreta, porém opressora, mostrem como até naquele ambiente masculino e gladiador podem superar nossa singela sapiência sobre cultura mundial.

Mas voltando ao gramado, elas gritam, xingam (às vezes mais alto do que você), e no intervalo, em vez de prepararem algum petisco para a moçada, aguardam pelo "show do intervalo". Isso quando, de maneira bem carinhosa, não sussurram: "benzinho tem carne? Ah, e se tiver pão de alho traz também". Começo a achar que a competição é a nossa cruz, porque até na "massa" elas não põem mais a mão.

Mulher e futebol uma combinação bela, no entanto intimidadora. Enquanto você se expõe com sua camiseta verde e amarela, que comprou há três copas, na qual os furos embaixo do braço e o desbotado da cor original carregam consigo a sorte da quarta estrela em 1994., ela surge com um modelito mais inspirador a cada jogo. Tudo milimetricamente calculado, faixa nos cabelos, brincos e tudo quanto é acessório para, mais uma vez, demonstrar sua superioridade.

Será a nova guerra dos sexos? Bom, amigo, "nova" posso afirmar que não é, pois vem acontecendo há anos. É só reparar nos estádios o crescente número de torcedoras, flagradas de diversas formas pelas indiscretas câmeras de televisão. Um deleite para alguns. Mas para mim apenas uma constatação, de que perdemos muito, e muito, terreno.

A nós, fica somente a sensação de derrota e o gosto amargo ao engolir que, mesmo no protegido mundo da bola, no qual reinamos absolutos durante décadas, o sabor de derrota é inevitável e a zona de rebaixamento é a maior probabilidade, calculada inclusive por diversos matemáticos do futebol.

Este espaço contempla a contribuição - acadêmica ou não - de alunos, docentes ou profissionais que queiram transmitir idéias e gerar reflexões acerca de assuntos de interesse coletivo. Os comentários que não tiverem o nome completo do autor ou email para contato não serão publicados.


  Mais notícias da seção ° no caderno Artigos & cia
08/12/2007 - ° - O ano em que nos tornamos jornalistas
Ano cheio de descobertas, alegrias, tristezas, momentos bons e ruins, que guardaremos sempre em nossas lembranças ...
08/12/2007 - ° - MP prova que bom desempenho depende de compromisso
Para quem acredita que ser jornalista é fácil, o Matéria Prima mostra que jornalismo está ligado a esforço e dedicação ...
08/12/2007 - ° - Esse tal de jornalismo não serve pra mim
Um texto de 30 linhas, um desespero de duas semanas...; não sei dizer o que houve de errado, só espero que tenha sido momentâneo ...
27/10/2007 - ° - Tropa de Elite
01/09/2007 - ° - SATISFIRE - "Tocar com Andréas Kisser foi uma injeção de ânimo"
A banda Satisfire fala sobre as influências de seu novo disco e mostra que nem só de metal vivem os metaleiros....
26/05/2007 - ° - Sem voz, cronista caminha para a glória
Aos 74 anos, escritor sente as pernas tremerem ao escutar seu nome e a voz lhe foge novamente, assim como na infância ...
21/04/2007 - ° - Exageros da síndrome "the greatest hits"
A estratégia das gravadoras é lucrar; para tanto, vale vender as mesmas canções diversas vezes em nome do dinheiro...
14/04/2007 - ° - DeVotchka e a sorte do bilhete premiado
O cinema é o passaporte do sucesso para algumas bandas; ser imigrante na fonografia costuma ser eficiente...
07/04/2007 - ° - As bizarrices da criação literária de Almodóvar
Despudorada e viciada em música dance, a personagem Patty Diphusa exemplifica a juventude espanhola na década de 1980...
31/03/2007 - ° - Maria Antonieta e o (indevido) espírito roqueiro
Na cinebiografia da última rainha francesa, Sofia Copolla abre mão do bom senso estilístico e exagera na dose musical...
07/10/2006 - ° - Uma verdadeira viagem de outro mundo
Vi aqueles "monstros" tomando as cidades, destruindo as casas, as escolas, tudo. Só de lembrar dá um frio na espinha ...
09/09/2006 - ° - Uma noite de Broadway em Paranavaí
O que poderia ser apenas mais uma noite de trabalho transformou-se em uma noite de sonhos...musicados...
29/04/2006 - ° - Conselho de pai
10/12/2005 - ° - A grande contradição do Natal
Temos sempre uma mensagem que contradiz nossos atos, e assim jamais nos responsabilizamos pelo que não fomos capazes de cumprir ...
10/12/2005 - ° - STEPHAN DOITSCHINOFF - "Gosto de viajar para poder pintar, para ter mais inspiração"
Artista plástico paulista que já vendeu telas para o astro Jimmy Page prepara, agora, a arte do novo CD da banda Sepultura...
03/12/2005 - ° - A crise da mentalidade
Banalizamos magníficos meios que, sem seu uso coletivo, se prestam a atender mediocridades da individualidade perversa...
19/11/2005 - ° - O ilusório poder de compra do fim de ano
A falsa idéia da harmonia entre emprego e consumo só poderia mesmo ser sustentada em um sonho natalino...
29/10/2005 - ° - Religião e Cidadania
Com tanto "mico" que nós, brasileiros, já pagamos, como se não bastasse, deixaram mais um "abacaxi" para um povo humilde...
16/09/2005 - ° - Uma história de tirar o fôlego... de tanto rir
O livro "A esdrúxula epopéia de Pelipe e D. Leopolda" é um bom remédio para curar o mau-humor: as risadas são garantidas...
11/06/2005 - ° - Lembranças geniais duma mente fantástica
Existem as regras, as linhas retas, os ângulos retos, projéteis e projetos: para vocês existem restos, os restos, os restos: excrementos...



Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP
Busca em

  
1989 Notícias