| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Matéria Prima
Desde: 06/02/2003      Publicadas: 1989      Atualização: 25/08/2008

Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP


 Artigos & cia
  10/12/2005
  0 comentário(s)


A grande contradição do Natal
Temos sempre uma mensagem que contradiz nossos atos, e assim jamais nos responsabilizamos pelo que não fomos capazes de cumprir
A grande contradição do NatalGilson Aguiar*
Eis que chegamos ao final de ano. E não é difícil perceber que estamos próximos às festividades representadas pela convivência harmoniosa e gentil. Parece que a vida fica mais sentimental e o próximo mais próximo.

Pelos corredores de onde trabalho, acompanho o sorriso de todos e a educação um pouco mais aflorada nos gestos mais simples.

Todos se cumprimentam e nos cumprimentam. De repente tenho uma felicidade enorme em minha existência e parece que vale a pena viver intensamente.

Somos capazes de uma convivência pacífica e de acertos mágicos com os inimigos mortais. Temos uma simbologia feliz e uma rebeldia com a vida quando chega o Natal e o Ano Novo. Precisamos de uma trégua com o antagonismo e acreditamos que poderemos mais.

Das simbologias e mensagens que este período do ano nos reserva, as mensagens natalinas são as mais puras expressões de como perdemos o bom senso ideológico, ou o senso do ridículo. Mas, como todos estão sintonizados na festividade e desejam e tropeçam com as conciliações do inconciliável, nada mais nos assusta, e lemos os desejos de um "Feliz Natal" e "Prospero Ano Novo", como quem toma o remédio para curar a ressaca antes da embriagues.

Em uma das mensagens que recebi, junto a um cartão natalino com dizeres cristãos, vem um texto escrito em punho ressaltando o papel do homem como um sujeito construtor de sua história e responsável pela condução de sua virá. Ninguém ao escolher o cartão ou escrever a mensagem notou um abismo profundo entre esperar que Deus nos liberte e a responsabilidade que temos com nossa própria libertação.

Não estou, em hipótese alguma, criticando o envio de mensagens natalinas, ou criticando a idéia de nossa responsabilidade sobre nossos próprios atos. O que me incomoda é a incapacidade de notarmos que, durante todo o ano, praticamos a mesma contradição. Diariamente a vida se reproduz como um cartão de natal, temos sempre uma mensagem que contradiz nossos atos, e assim jamais nos responsabilizamos pelo que não fomos capazes de cumprir.

Há sempre uma forma de considerar que a vida nos tirou possibilidades ou que nosso egoísmo excessivo é que conduz nossos atos. Haverá sempre um discurso e uma desculpa cristão, islâmica, judaica ou umbandista para nos afastar da responsabilidade que não assumimos e transferimos para o "lombo" de uma divindade.

Mas, veja bem, é Natal, e temos muito que saborear da vida que nos cerca e tentar curtir o direito a esta contradição temporária na festa e permanente na vida. Temos o direito de esperar algo melhor no ano novo, e sem dúvida de desejar isto a todos. E mais do que tudo, nós temos a obrigação de buscar um sentido para a vida. O que não se pode admitir e propagar idéias sem o critério de entende-las, de apontar vários caminhos e não sair do lugar.

Por isso, um Feliz Natal e Prospero Ano Novo, cheio de sentido e lógica, cada vez mais distante das fantasias perturbadoras, contudo, mais próximo de viver a realidade como sujeito de sua própria história.


Este espaço contempla a contribuição de alunos, docentes ou profissionais de quaisquer áreas que queiram transmitir idéias e gerar reflexões acerca de assuntos de interesse coletivo. Os comentários que não tiverem o nome completo do autor e email para contato não serão publicados.



OS COMENTÁRIOS QUE NÃO TIVEREM O NOME COMPLETO DO AUTOR E EMAIL PARA CONTATO NÃO SERÃO PUBLICADOS


  Mais notícias da seção ° no caderno Artigos & cia
08/12/2007 - ° - O ano em que nos tornamos jornalistas
Ano cheio de descobertas, alegrias, tristezas, momentos bons e ruins, que guardaremos sempre em nossas lembranças ...
08/12/2007 - ° - MP prova que bom desempenho depende de compromisso
Para quem acredita que ser jornalista é fácil, o Matéria Prima mostra que jornalismo está ligado a esforço e dedicação ...
08/12/2007 - ° - Esse tal de jornalismo não serve pra mim
Um texto de 30 linhas, um desespero de duas semanas...; não sei dizer o que houve de errado, só espero que tenha sido momentâneo ...
27/10/2007 - ° - Tropa de Elite
01/09/2007 - ° - SATISFIRE - "Tocar com Andréas Kisser foi uma injeção de ânimo"
A banda Satisfire fala sobre as influências de seu novo disco e mostra que nem só de metal vivem os metaleiros....
26/05/2007 - ° - Sem voz, cronista caminha para a glória
Aos 74 anos, escritor sente as pernas tremerem ao escutar seu nome e a voz lhe foge novamente, assim como na infância ...
21/04/2007 - ° - Exageros da síndrome "the greatest hits"
A estratégia das gravadoras é lucrar; para tanto, vale vender as mesmas canções diversas vezes em nome do dinheiro...
14/04/2007 - ° - DeVotchka e a sorte do bilhete premiado
O cinema é o passaporte do sucesso para algumas bandas; ser imigrante na fonografia costuma ser eficiente...
07/04/2007 - ° - As bizarrices da criação literária de Almodóvar
Despudorada e viciada em música dance, a personagem Patty Diphusa exemplifica a juventude espanhola na década de 1980...
31/03/2007 - ° - Maria Antonieta e o (indevido) espírito roqueiro
Na cinebiografia da última rainha francesa, Sofia Copolla abre mão do bom senso estilístico e exagera na dose musical...
07/10/2006 - ° - Uma verdadeira viagem de outro mundo
Vi aqueles "monstros" tomando as cidades, destruindo as casas, as escolas, tudo. Só de lembrar dá um frio na espinha ...
09/09/2006 - ° - Uma noite de Broadway em Paranavaí
O que poderia ser apenas mais uma noite de trabalho transformou-se em uma noite de sonhos...musicados...
01/07/2006 - ° - A Copa do Mundo é delas, das mulheres
No futebol, o público feminino também está batendo um bolão, e não é dentro do gramado, mas em frente à televisão...
29/04/2006 - ° - Conselho de pai
10/12/2005 - ° - STEPHAN DOITSCHINOFF - "Gosto de viajar para poder pintar, para ter mais inspiração"
Artista plástico paulista que já vendeu telas para o astro Jimmy Page prepara, agora, a arte do novo CD da banda Sepultura...
03/12/2005 - ° - A crise da mentalidade
Banalizamos magníficos meios que, sem seu uso coletivo, se prestam a atender mediocridades da individualidade perversa...
19/11/2005 - ° - O ilusório poder de compra do fim de ano
A falsa idéia da harmonia entre emprego e consumo só poderia mesmo ser sustentada em um sonho natalino...
29/10/2005 - ° - Religião e Cidadania
Com tanto "mico" que nós, brasileiros, já pagamos, como se não bastasse, deixaram mais um "abacaxi" para um povo humilde...
16/09/2005 - ° - Uma história de tirar o fôlego... de tanto rir
O livro "A esdrúxula epopéia de Pelipe e D. Leopolda" é um bom remédio para curar o mau-humor: as risadas são garantidas...
11/06/2005 - ° - Lembranças geniais duma mente fantástica
Existem as regras, as linhas retas, os ângulos retos, projéteis e projetos: para vocês existem restos, os restos, os restos: excrementos...



Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP
Busca em

  
1989 Notícias