| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Matéria Prima
Desde: 06/02/2003      Publicadas: 1989      Atualização: 25/08/2008

Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP


 Crônica

  30/06/2008
  1 comentário(s)


A felicidade pode tardar, mas não falha

Às vezes é preciso superar algumas barreiras e crises para descobrir o tamanho do amor que se sente pelo outro

A felicidade pode tardar, mas não falha"O publicitário Cláudio Reis Silva, 31 anos, costuma deixar bilhetinhos debaixo dos ímãs de geladeira com frases de amor e agradecimento endereçados à mulher, Luciane Cortonesi Silva. Professora, 31 anos, ela retribui o carinho do marido com capricho. Várias foram as vezes em que Cláudio, ao chegar de uma viagem de trabalho, encontrou flores espalhadas pela casa (...)".
Revista IstoÉ, 11 de junho de 2008, nº 2014.

Kristianne Perez

...Eu vos declaro marido e mulher...

É assim que começam quase todos os casamentos. Da frase clássica aos primeiros 45 minutos do enlace tudo é belo, maravilhosamente perfeito. Festa, amigos convidados, muita diversão, viagem dos sonhos, lua-de-mel a três.

- A três? - indaga o curioso leitor desta crônica.
- A três, sim - responde o cronista - pelo menos nesta história a lua-de-mel foi a três: ele, ela e a irmã dela.

Cunhada em lua-de-mel é como elefante no centro de Maringá: coisa rara de se ver. Mas quem arriscaria dizer que é impossível?

A irmã da noiva em questão não deixou o casal em paz nem por 10 minutinhos. Era um tal de "vamos ali", "vamos lá", "quero isso" e "quero aquilo". Nada bom para o início da vida a dois sob o mesmo teto.

Fim da viagem. Agora, de fato sob o mesmo teto, é hora de ajeitar a casa, arrumar os presentes e trocar o que veio igual. Dez frigideiras, três batedeiras e por aí vai. Um mês para deixar a casa em ordem, sorrir e fazer cara de paisagem a cada palpite dado pelas sogras, atender vizinhos curiosos para conhecer o "novo lar dos pombinhos".

Enfim, passada a euforia pós-nupcial é hora do teste do tubo da pasta de dente, da toalha molhada sobre a cama, da calcinha pendurada na torneira do chuveiro, da coleção de carrinhos de Fórmula 1 sobre o corrimão da escada.

Realmente, nem tudo são flores. Com a convivência e a rotina não tardou para o casal ter as primeiras brigas e crises. Tudo o que um fazia acabava se tornando motivo para o outro iniciar uma pequena discussão. O final também é clássico: terminava sempre com um deles dormindo no sofá. E dá-lhe toalha molhada em cima da cama, futebol quase todas as noites, fios de cabelo no ralo da pia do banheiro, happy hour com os amigos, a famosa TPM.

...O que Deus uniu o homem não separa...

Até que um dia, cansados de tantas brigas, ele e ela decidiram que ter um filho seria a solução de todos os problemas do casal. Adeus camisinha, tabelinha, cartelinha. Ele queria um menino, boleiro, pegador, macho na exata acepção do termo. Ela, uma menininha, bonequinha, meiguinha e mimada, vestida de bolo-de-aniversário, com direito a fitinha na cabeça, sapatinho branquinho e meinha cor-de-rosa. O docinho da mamãe. Começou o ti-ti-ti da família, dos amigos, dos colegas de trabalho...os médicos já alertavam que a pressão poderia ocasionar um bloqueio. Não deu outra. Nem gravidez psicológica aconteceu ali. As toalhas molhadas sobre a cama se amontoavam, louça suja na pia da cozinha, pilhas e pilhas de revistas velhas sobre o chão do banheiro, camisas nas costas da cadeira da sala de jantar.

A separação parecia inevitável, mas, antes da sentença, decidiram fazer uma última tentativa: a terapia de casal. Nada como um "ouvido aberto" para as mazelas que vêm de um lado e de outro. E pensar que tudo o que precisavam era de alguém que os escutasse, que os fizesse escutar um ao outro, mesmo que do outro lado da escrivaninha da clínica psicológica.

Os ânimos arrefeceram. A toalha? Nem estava tão molhada assim. Fios de cabelo? Nada que um bom desentupidor de pia não desse jeito. Futebol? Eles até que gostam da torcida feminina organizada. Filho ou filha? Ah, pra que se importar se a decisão final sobre o sexo, hoje, cabe exclusivamente ao titular!

Crescei-vos e multiplicai-vos...

Uma ligeira queda de pressão, um quase desmaio, a corrida ao médico e a notícial que ninguém mais esperava ouvir:

- Parabéns, a senhora vai ser mamãe.

Nove meses depois, nasce um casal de gêmeos. Não pense, caro leitor, que os filhos resolveram o problema do casal. Nem de longe. As brigas e crises continuam. Mas eles finalmente amadureceram e entenderam que as diferenças são parte de qualquer relacionamento e que o desafio está em tentar superá-las diariamente, mesmo entre toalhas molhadas, e agora fraldas descartáveis e mamadeiras, sobre a cama.

Imagem/http://bloogle-do-alex.blogspot.com/2008/01/brigas-de-casal-podem-prolongar-vida.html

OS COMENTÁRIOS QUE NÃO TIVEREM O NOME COMPLETO DO AUTOR E EMAIL PARA CONTATO NÃO SERÃO PUBLICADOS
  Autor: Kristianne Perez


  Mais notícias da seção ° no caderno Crônica
11/08/2008 - ° - As aparências podem realmente enganar
Como um mal entendido pode deixar um namoro entre universitários na corda bamba durante a semana de provas...
07/07/2008 - ° - Eu vou ser sempre o melhor dos alunos
Não me importo em fazer de tudo para conquistar a melhor média da turma; vou ser o aluno nota 10 de qualquer maneira...
23/06/2008 - ° - Gudê moningui, Amazônia, tanquiu, bonjú
A nossa mata Amazônica não é mais a mesma e os que por direito habitam nela, estão perdendo seu território...
16/06/2008 - ° - Incansáveis blá, blá, blás via telefone
Treinados para alcançar metas, operadores de telemarketing usam todo tipo de argumento para convencer consumidores...
09/06/2008 - ° - Nenhum arrependimento cura o passado
Apesar das dificuldades, devemos dar valor aos sentimentos enquanto é possível; quando os perdemos, é fácil lamentar...
27/05/2008 - ° - O mar não está para peixe, tampouco o ar
Um belo dia, pescando tranqüilamente como de costume, pai e filho se depararam com algo impressionante que mudou as suas vidas...
26/05/2008 - ° - A novela da vida real contada em fatos
Quanto mais trágico é o assunto mais valor tem na mídia, mas não como notícia e sim como entretenimento...
19/05/2008 - ° - É possível gostar da espera nas filas
As tão odiadas filas podem ser um boa oportunidade para ouvir histórias interessantes, fazer amigos e aprender a viver...
19/05/2008 - ° - Incertezas de um homem na andropausa
Muitos passam, mas poucos assumem o climatério masculino como uma conseqüência da maturidade de um cinquentão...
19/05/2008 - ° - Que venha, então, essa tal de menopausa
Nem tudo está perdido depois da última menstruação; enfrentar o climatério requer descobrir um novo sentido para a vida ...
05/05/2008 - ° - O Papa e os "papadores" de criancinhas
A visita do pontífice aos estados americanos o revolta; o número de casos de pedofilia envergonham-no...
28/04/2008 - ° - A inevitável atração que sinto por ele
Quando o amor é platônico as conseqüências são eternas e marcam a vida de várias pessoas...
28/04/2008 - ° - Dois países parecidos e gordos por natureza
A história de duas nações que se entrelaçam nos problemas e avacalhações políticas; uma é fictícia e outra muito real...
21/04/2008 - ° - Patriotismo de um mendigo brasileiro
Enquanto uns se divertem com o dinheiro público, por meio dos cartões corporativos, outros vivem em situações miseráveis...
14/04/2008 - ° - Em busca do que as pessoas têm de melhor
Cansado de conviver com os homens do planeta Terra, o cientista decidiu sair à procura de um ser humano perfeito...
08/04/2008 - ° - Zagueiro mata a jogada e é preso em flagrante
Réu confesso, ele admitiu tê-la pego pelas costas; alegou legítima defesa, mas obteve as penalidades máximas ...
08/04/2008 - ° - Confidências de um ônibus estressado
Vida de ônibus não é fácil e fica pior ainda quando usuários decidem partir para as agressões, verbais e físicas...
08/04/2008 - ° - Carta especial ao hipocondríaco moderno
Foi descoberta outra forma de se contrair mais uma doença, o que talvez agrave o histórico e currículo dos compulsivos...
08/12/2007 - ° - O vermelho do menino, velha e silêncio
Ligados, vermelho e silêncio se resignificaram; no dia em que ninguém enxergava, ouvia, sentia, além da velha e do menino...
08/12/2007 - ° - A recompensa chega ao fim das batalhas
Depois de muita correria e enfrentando os mais diversos obstáculos, o ano termina deixando sentimento de dever cumprido...
08/12/2007 - ° - A matéria-prima é o ouro e o mestre, o joalheiro
Toda obra prima passa por um ciclo, assim como o anel começa como pedra ríspida e rude e termina como jóia trabalhada...
08/12/2007 - ° - Despedida com sensação de dever cumprido
Nosso tempo no Matéria Prima já terminou, mas as marcas permanecem; depois de toda tensão inicial é hora dizer adeus...
17/11/2007 - ° - Para nós, que não temos nada de especial
Demonstrar qualquer tipo de afeto pelas pessoas com quem convivemos diariamente não é considerado normal; uma pena...
17/11/2007 - ° - Até que a morte - ou não - nos separe
Nunca é cedo e nem tarde demais para viver um "grande amor"; o problema é encontrar o amor verdadeiro...
10/11/2007 - ° - Que "profunda" preparação política
O repórter ficou pasmado com os projetos de campanha da ex-modelo e socialite, que queria ser prefeita de são Paulo...
10/11/2007 - ° - Brilho eterno das memórias de infância
O homem de hoje esconde as lembranças de ontem, mas revela que todo adulto guarda espaço para o passado...
03/11/2007 - ° - Policial e bandido resolvem ir ao cinema
Para aproveitar a folga o policial resolve relaxar e ir ao cinema com o filho, mas o bandido decidiu ir também...
03/11/2007 - ° - Nem toda reação é resposta para uma ação
Há fatos tão desprovidos de explicação, que fica cada dia mais difícil entender como ainda continuam a se repetir...
27/10/2007 - ° - No meu tempo, bom era jogador brasileiro
Em tempos de jogadores desconhecidos e falta de amor a camisa, bom mesmo é pedir uma pizza e ver a Seleção pela TV ...
27/10/2007 - ° - Loucura, loucura, loucura no Caldeirão!
Semana de provas e um telefonema muda a minha rotina; sentimentos transformam a falta de confiança em vontade de vencer e fazer vencer ...



Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP
Busca em

  
1989 Notícias