| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Matéria Prima
Desde: 06/02/2003      Publicadas: 1989      Atualização: 25/08/2008

Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP


 Crônica
  08/04/2008
  0 comentário(s)


Zagueiro mata a jogada e é preso em flagrante
Réu confesso, ele admitiu tê-la pego pelas costas; alegou legítima defesa, mas obteve as penalidades máximas
Zagueiro mata a jogada e é preso em flagrante"Dois ex-são-paulinos e três pênaltis acabaram com um tabu de quase 11 anos. O Palmeiras, não vencia o São Paulo em Campeonatos Paulistas desde março de 1997, ganhou. E goleou. Com gols e boas atuações dos atacantes Denílson e Kléber, ambos formados no Morumbi, o Verdão fez 4 a 1 " de virada e com três penalidades " e acabou com um longo jejum. O Palmeiras subiu para a vice-liderança e deixou o rival fora da zona de classificação, em sétimo lugar."

Globoesporte.com " 16 de março de 2008

Willian Rafael Scaliante
Juro que não tive culpa. Tudo aconteceu muito rápido e não pude evitar. Ela entrou na minha área invadindo a defesa do meu time. Fomos pegos de surpresa, foi um momento de desatenção. Tudo bem, admito tê-la pego pelas costas, mas ela também estava armada. Eu vi, a jogada foi armada. Ela ameaçava claramente o nosso gol. Se eu não a desarmasse, o tiro ia para no fundo das redes. Além do mais, é meu trabalho como zagueiro desarmar, matar se for preciso, as jogadas e ajudar a defender o gol.

Está certo, sei que não devia ter segurado o atacante. Mas vocês viram, ele é um matador profissional. No lance anterior ele deu um corte fatal, deixou o zagueiro no chão. E como se isso não bastasse, deu um tiro certeiro que penetrou nosso gol. Foi doloroso pra gente, aquele disparo rompeu a nossa defesa. Quando o vi ameaçando novamente o gol, não hesitei em detê-lo. Eu confesso, matei a jogada. Mas o que queria realmente era apenas desarmá-la.

Mostraram-me o temido cartão vermelho e agora estou aqui, excluído, preso ao vestiário. Sozinho. Na verdade o remorso me faz companhia. O juiz errou, não merecia uma sentença tão rígida. Não houve dolo. Minha consciência está tranqüila, o superintendente do meu clube sabe que sou inocente. Ele afirmou que somos vítimas de um complô. Não dizem que a Justiça é cega? Então, como o juiz pode enxergar tantas penalidades máximas em uma única partida?

Sei que agora é tarde para lamentações, uma vez que fui condenado. Mas enquanto eu viver continuarei insistindo: matei aquela jogada, sim, mas apenas para me defender.

Imagem meramente ilustrativa

OS COMENTÁRIOS QUE NÃO TIVEREM O NOME COMPLETO DO AUTOR E EMAIL PARA CONTATO NÃO SERÃO PUBLICADOS


  Mais notícias da seção ° no caderno Crônica
11/08/2008 - ° - As aparências podem realmente enganar
Como um mal entendido pode deixar um namoro entre universitários na corda bamba durante a semana de provas...
07/07/2008 - ° - Eu vou ser sempre o melhor dos alunos
Não me importo em fazer de tudo para conquistar a melhor média da turma; vou ser o aluno nota 10 de qualquer maneira...
30/06/2008 - ° - A felicidade pode tardar, mas não falha
Às vezes é preciso superar algumas barreiras e crises para descobrir o tamanho do amor que se sente pelo outro...
23/06/2008 - ° - Gudê moningui, Amazônia, tanquiu, bonjú
A nossa mata Amazônica não é mais a mesma e os que por direito habitam nela, estão perdendo seu território...
16/06/2008 - ° - Incansáveis blá, blá, blás via telefone
Treinados para alcançar metas, operadores de telemarketing usam todo tipo de argumento para convencer consumidores...
09/06/2008 - ° - Nenhum arrependimento cura o passado
Apesar das dificuldades, devemos dar valor aos sentimentos enquanto é possível; quando os perdemos, é fácil lamentar...
27/05/2008 - ° - O mar não está para peixe, tampouco o ar
Um belo dia, pescando tranqüilamente como de costume, pai e filho se depararam com algo impressionante que mudou as suas vidas...
26/05/2008 - ° - A novela da vida real contada em fatos
Quanto mais trágico é o assunto mais valor tem na mídia, mas não como notícia e sim como entretenimento...
19/05/2008 - ° - É possível gostar da espera nas filas
As tão odiadas filas podem ser um boa oportunidade para ouvir histórias interessantes, fazer amigos e aprender a viver...
19/05/2008 - ° - Incertezas de um homem na andropausa
Muitos passam, mas poucos assumem o climatério masculino como uma conseqüência da maturidade de um cinquentão...
19/05/2008 - ° - Que venha, então, essa tal de menopausa
Nem tudo está perdido depois da última menstruação; enfrentar o climatério requer descobrir um novo sentido para a vida ...
05/05/2008 - ° - O Papa e os "papadores" de criancinhas
A visita do pontífice aos estados americanos o revolta; o número de casos de pedofilia envergonham-no...
28/04/2008 - ° - A inevitável atração que sinto por ele
Quando o amor é platônico as conseqüências são eternas e marcam a vida de várias pessoas...
28/04/2008 - ° - Dois países parecidos e gordos por natureza
A história de duas nações que se entrelaçam nos problemas e avacalhações políticas; uma é fictícia e outra muito real...
21/04/2008 - ° - Patriotismo de um mendigo brasileiro
Enquanto uns se divertem com o dinheiro público, por meio dos cartões corporativos, outros vivem em situações miseráveis...
14/04/2008 - ° - Em busca do que as pessoas têm de melhor
Cansado de conviver com os homens do planeta Terra, o cientista decidiu sair à procura de um ser humano perfeito...
08/04/2008 - ° - Confidências de um ônibus estressado
Vida de ônibus não é fácil e fica pior ainda quando usuários decidem partir para as agressões, verbais e físicas...
08/04/2008 - ° - Carta especial ao hipocondríaco moderno
Foi descoberta outra forma de se contrair mais uma doença, o que talvez agrave o histórico e currículo dos compulsivos...
08/12/2007 - ° - O vermelho do menino, velha e silêncio
Ligados, vermelho e silêncio se resignificaram; no dia em que ninguém enxergava, ouvia, sentia, além da velha e do menino...
08/12/2007 - ° - A recompensa chega ao fim das batalhas
Depois de muita correria e enfrentando os mais diversos obstáculos, o ano termina deixando sentimento de dever cumprido...
08/12/2007 - ° - A matéria-prima é o ouro e o mestre, o joalheiro
Toda obra prima passa por um ciclo, assim como o anel começa como pedra ríspida e rude e termina como jóia trabalhada...
08/12/2007 - ° - Despedida com sensação de dever cumprido
Nosso tempo no Matéria Prima já terminou, mas as marcas permanecem; depois de toda tensão inicial é hora dizer adeus...
17/11/2007 - ° - Para nós, que não temos nada de especial
Demonstrar qualquer tipo de afeto pelas pessoas com quem convivemos diariamente não é considerado normal; uma pena...
17/11/2007 - ° - Até que a morte - ou não - nos separe
Nunca é cedo e nem tarde demais para viver um "grande amor"; o problema é encontrar o amor verdadeiro...
10/11/2007 - ° - Que "profunda" preparação política
O repórter ficou pasmado com os projetos de campanha da ex-modelo e socialite, que queria ser prefeita de são Paulo...
10/11/2007 - ° - Brilho eterno das memórias de infância
O homem de hoje esconde as lembranças de ontem, mas revela que todo adulto guarda espaço para o passado...
03/11/2007 - ° - Policial e bandido resolvem ir ao cinema
Para aproveitar a folga o policial resolve relaxar e ir ao cinema com o filho, mas o bandido decidiu ir também...
03/11/2007 - ° - Nem toda reação é resposta para uma ação
Há fatos tão desprovidos de explicação, que fica cada dia mais difícil entender como ainda continuam a se repetir...
27/10/2007 - ° - No meu tempo, bom era jogador brasileiro
Em tempos de jogadores desconhecidos e falta de amor a camisa, bom mesmo é pedir uma pizza e ver a Seleção pela TV ...
27/10/2007 - ° - Loucura, loucura, loucura no Caldeirão!
Semana de provas e um telefonema muda a minha rotina; sentimentos transformam a falta de confiança em vontade de vencer e fazer vencer ...



Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP
Busca em

  
1989 Notícias