| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Matéria Prima
Desde: 06/02/2003      Publicadas: 1989      Atualização: 25/08/2008

Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP


 Entrevista

  05/05/2008
  0 comentário(s)


Três Centavos - "Nossa intenção sempre foi tocar pelo prazer de tocar"

Banda de rock independente fala sobre dificuldades e aceitação do público em relação a esse gênero musical

Três Centavos - Lello Montanher
Quem nunca ouviu uma produção de rock independente? Em Maringá existem várias bandas desse estilo. Jovens que se reúnem e criam sons alternativos, sem nenhum patrocínio, apenas pelo desejo de tocar e prazer de fazer o que realmente gostam - produzir suas próprias músicas.

Uma dessas bandas popularmente conhecidas como "banda de garagem" é a Três Centavos. Formada em Campo Mourão - PR (101 km de Maringá) no final de 2004, é composta por três jovens: Barsa Ribeiro, 20, baterista, César Leandro Miguel, 21, baixista e voz, e Paulo Garrido, 21, guitarra e voz.

Em 2006 os integrantes se mudaram para Maringá, onde a Três Centavos ganhou espaço e pôde mostrar seu trabalho. A banda ainda está "engatinhando", mas já tem planos para o futuro, como gravar um CD, até 2009.

O baixista César Miguel conversou em nome da banda com o jornal Matéria Prima. Falou sobre o cenário independente em Maringá e os obstáculos que os artistas desses meios enfrentam.

Qual foi a intenção de vocês ao montarem a banda?
A gente montou no começo pensando em fazer só cover de rock dos anos 60 e anos 70, que era o que mais gostávamos. Logo, começamos a com idéia de fazer música própria, só que nunca ensaiamos essas músicas. A gente só começou a mexer nelas em 2006, quando a banda estava com um tecladista e um vocalista a mais. Tínhamos trocado de nome e tudo, aí em 2007, quando eles saíram, voltamos a ser três integrantes, retomamos o nome Três Centavos e começamos a fazer música composta pelo trio. Nossa intenção sempre foi tocar apenas pelo prazer de tocar, sem interesse algum de mercado.

Qual a maior dificuldade que parte de bandas independentes têm?
É juntar grana com a banda para gastar na banda. Ou seja, gastar aquilo que você ganhou para não gastar nela [banda] dinheiro você conseguiu de outro jeito. Por exemplo, o que eu ganhar de cachê, pago o combustível, a alimentação " se for show fora de Maringá - e o estúdio de gravação.

O público e o mercado fonográfico aprovam as produções independentes?
O mercado fonográfico não quer nem saber disso, o que tem são as pequenas gravadoras que a gente trabalha, que nem são chamadas de gravadoras, mas sim de selos. As grandes gravadoras às vezes vêem algo independente que esteja chamando a atenção, só assim a banda é convidada para trabalhar com eles. Já o público é o seguinte: Quem não conhece nosso trabalho não quer nem saber. Os únicos interessados são pessoas que estão envolvidas no estilo e no meio em que tocamos [rock independente]. Maringá tem um público legal.

Falando não apenas da Três Centavos. Até que ponto vale a pena lutar pelo sonho de ser reconhecido?
Quando a banda não começa a dar despesa. Quando a banda estiver conseguindo um cachê legal para pagar um estúdio, gravação, alguém para fazer a arte " um EP [extended play " tem quatro á oito faixas, com duração de 15 á 35 min.] ou um demo - já começa a ficar bom. Agora, não adianta você ter uma banda e fazer show apenas na cidade, será um sonho frustrado. Se quiser ver a banda funcionar, tem que tocar para mais gente, mostrar seu som para o pessoal de fora.

Você considera que a Três Centavos está sendo reconhecida em Maringá?
Eu acredito que sim. Em fevereiro, por exemplo, quando tocávamos no festival na UEM [Universidade Estadual de Maringá], tinha uma menina na frente do palco cantando nossa música. Fiquei assustado, pois a gente nem tinha gravado nada, não tinha nada para ela ouvir, como é que ela sabia a letra [risos]? Estamos começando a crescer, tem gente cantando nossas músicas nos shows e eu nem sei quem é. Não é porque é independente que não seja profissional. Nós estamos com alguns shows marcados para este mês [abril]. Não é nada grande, mas ajuda. A galera do meio independente sempre está entrando em contando, uma vai dando força à outra, indicando a gente para tocar em alguns lugares. Não existe concorrência e isso colabora para nossa divulgação.


Imagem/myspace.com/trescentavos
Cartaz de divulgação da banda alternativa Três Centavos

OS COMENTÁRIOS QUE NÃO TIVEREM O NOME COMPLETO DO AUTOR E EMAIL PARA CONTATO NÃO SERÃO PUBLICADOS
  Autor: Lello Montanher


  Mais notícias da seção ° no caderno Entrevista
11/08/2008 - ° - Antônio Recco - "Nós não copiamos, nós criamos"
O empresário conta como foi começar uma empresa, continuar no mercado e fala também sobre o SindiVest...
07/07/2008 - ° - Ana Luiza Martins - "Aqui [a imprensa] também é um quarto poder"
Historiadora lança o livro História da imprensa no Brasil que mostra a importância do jornalismo brasileiro...
16/06/2008 - ° - Arcebispo dom Anuar - "Nada que seja feito às escondidas ficará em segredo"
Doença sexual compulsiva mancha a imagem da Igreja Católica e traumatiza a vida de crianças inocentes...
09/06/2008 - ° - Daniele Hypólito - "Dei o melhor de mim como atleta"
A ginasta conta como foi ter ganhado a primeira medalha do Brasil em mundiais e comenta sobre as Olimpíadas de Pequim...
14/04/2008 - ° - Edith Dias - "Assumi pelo descontentamento na parte administrativa"
A vereadora faz uma análise de seu período de um ano como secretária de Esportes da prefeitura...
08/04/2008 - ° - Tchê Garotos - "Tiramos toda a indumentária e vamos ser populares mesmo"
Vocalista da banda fala sobre a transição para o Tchê Music, os sonhos alcançados e os projetos para o futuro...
01/12/2007 - ° - CHRIS DURÁN - "Deus trocou minhas vestes, de cantor para adorador"
Para o artista, o passado é uma página virada: dele, só quer lembrar as experiências que o levaram a Deus...
17/11/2007 - ° - ANGELA TAMIKO HIRATA - "A Havaianas é o produto mais democrático do Brasil"
Segundo a consultora executiva, acreditar no produto e saber se comunicar são algumas receitas para o sucesso...
10/11/2007 - ° - TÂNIA TAIT - "As mulheres tendem a lutar pelos seus direitos"
À frente da ONG Maria do Ingá, professora relata as experiências vividas em 20 anos de atuação pró-mulheres...
20/10/2007 - ° - JOSÉ RIBEIRO DA COSTA - "Um povo que não é culto é muito mais fácil de se manipular"
Conhecido como "Tijolo", ele faz parte do Música, Poesia e Cidadania, mas ainda é registrado como oficial de manutenção...
06/10/2007 - ° - ANDRÉ SANSEVERINO - "Não encaro a nudez com naturalidade"
Fotógrafo da "Playboy" defende princípios morais mesmo em meio a um mundo esteriotipado pela beleza estética...
22/09/2007 - ° - KENJI UETA - "Vindo do meio do mato, encontrei uma cidade moderna"
O pioneiro que registrou toda a história de Maringá, conta como a cultura japonesa sobrevive ainda hoje na cidade...
08/09/2007 - ° - JOAQUIM ROMERO FONTES - "Maringá será a segunda maior cidade do Paraná"
Agropecuarista revela conquistas na cidade e conta como se tornou um maringaense de coração...
18/08/2007 - ° - HENRIQUE CERQUEIRA - "Sem a internet, eu não teria reconhecimento"
Músico maringaense conta sobre sua ascensão na música popular brasileira por meio de Cláudia Leite, do Babado Novo...
11/08/2007 - ° - JOÃO BATISTA COSTA SARAIVA - "Hoje a adolescência já passou dos 20 anos"
Juiz diz que a redução da maioridade penal é um erro, e que o Brasil tem boa legislação da infância...
16/06/2007 - ° - Irmã CECÍLIA FERRAZZA - "Assistencialismo não muda, a pessoa fica na passiva"
Dez anos de administração de entidade a fizeram acreditar que tirar as crianças das ruas pode reduzir o custo social...
02/06/2007 - ° - ANTENOR SANCHES - "Maringá é um sonho tornado realidade"
Foi com simpatia que o presidente da Associação dos Pioneiros de Maringá recebeu o MP para falar sobre a cidade que tanto ama...
26/05/2007 - ° - JACIRA BOENO MACHADO - "Minha vida seria vazia se estivesse sozinha em uma casa"
O trabalho social e uma nova visão de família a transformaram em uma "mãezona"; isso tem sido a razão da vida dela há 30 anos ...
12/05/2007 - ° - SABRINA LEVINTON - "Não é só tendência de moda que conta"
Designer, estilista, colunista, consultora e coordenadora de moda fala sobre a profissão e o mercado em Maringá...
05/05/2007 - ° - LÉO ÁQUILLA - "Sou um homem como outro qualquer"
Artista quer se eleger vereador e criar nova disciplina nas escolas para tornar crianças tolerantes ao pluralismo sexual...
28/04/2007 - ° - LAÉRCIO FONDAZZI - "A população cobra, mas não acompanha o que é feito"
O Procurador-Geral do Município conta como chegou ao cargo, e qual a importância da procuradoria para a prefeitura...
21/04/2007 - ° - LUCIMARA RINALDI DA SILVA - "As crianças estão me ouvindo, sentem o frio que eu sinto"
Contadora de histórias revela como é trabalhar com o imaginário das crianças narrando uma boa história...
14/04/2007 - ° - Diogo Portugal - "Ser humorista é um acidente de percurso"
Humorista curitibano afirma que fazer humor é surpreender o público e que boas piadas podem estar em situações cotidianas...
07/04/2007 - ° - MARCOS CÉSAR LUKASZEWIGZ - "Eu era mais agressivo, mais engraçado"
Em entrevista ao jornal Matéria Prima, o cartunista do "Diário" expõe um balanço dos seus 20 anos de profissão...
31/03/2007 - ° - MARLY MARTIN - "Toda lei tem de pensar no bem maior e não no individual"
Vereadora de Maringá defende o projeto e diz que a cidade ainda tem um sistema de policiamento deficitário ...
15/12/2006 - ° - ELCI NAKAMURA - "É preciso estar com a mente aberta para o aprendizado"
A jornalista diz acreditar que, mesmo formado, o profissional deve sempre estar pronto para aprender mais...
15/12/2006 - ° - RAIMUNDO TOSTES " "Vejo a sala de aula como um espaço para celebração"
Médico veterinário e professor fala sobre o "caso aftosa" no Paraná e sobre sua dedicação à docência...
15/12/2006 - ° - VERDELÍRIO BARBOSA - "A função dos jornais é criticar, elogiar e orientar"
Dono do "Jornal do Povo" analisa imprensa maringaense, defende o estágio no jornalismo e critica o sindicato regional...
09/12/2006 - ° - RONALDO ESPER " "Não gosto de roupa bordada, mas eu desenho, faço e vendo"
Estilista considerado o "rei das noivas" discute temas e assuntos referentes ao seu passado e a moda brasileira...
02/12/2006 - ° - ELIAS GOMES DE PAULA " "Meu papel aqui é coordenar e ensinar o que sei sobre rádio"
Há mais de 20 anos no meio, historiador concilia a coordenação de uma rádio Universitária e locução em outra ...



Capa |  Artigos & cia  |  Cidadão Maringá  |  Comentário  |  Conto  |  Crítica  |  Crônica  |  Entrevista  |  Erramos  |  Geral  |  Livro  |  Moda  |  Opinião  |  Reportagem  |  Você no MP